Da Série: “Paradigmas da Contemporaneidade”. A Morte entre Colunas.

Algumas ordens iniciáticas tem por objetivo a busca por caminhos que levem a uma vida melhor, a uma vida boa em sociedade. São, portanto, escolas éticas de pensamento. Através de contemplações sobre o mundo, tangível e intangível, investigam abordagens multifacetadas de conceitos e ideias em contextos variados. O interessante é que associada à “lexis”, ou ao discurso propalado em meio a estes estudos, deve haver uma “praxis”. A ética tem que ser aplicada ao dia a dia dos iniciados. E para que esta positividade seja eficaz, é preciso trabalhar – ou lapidar – a maneira com que cada um apreende a sua própria realidade. Esta realidade, para nós, humanos, é marcada pelos chamados afetos. Os instintos, apetites, humores, libidos, tensões, e inquietações sobre nossa existência são inevitáveis, perenes e angustiantes. Dentre todos os afetos da alma, o que se destaca é a percepção da finitude da vida. Ser mortal, ser transitório,ser temporal,  e ter noção disso, nos torna únicos. A morte é o maior dos afetos. Nesta peça investigaremos o sentido deste fenômeno, à luz da doutrina iniciática mais ancestral . ( veja em breve post completo em página deste blog)

paris jim morrisonevita13